quarta-feira, 30 de maio de 2012

Estou desconfiada. O cabeleireiro novo me chama de amor. Entro na loja e a vendedora diz sorrindo “oi, amada”. Não quero ser o amor de quem acabei de conhecer e entreguei meus lindos cabelinhos. Não quero que a vendedora me olhe e diga “amada, essa calça ficou linda em você”. Desculpe, é que tenho um profundo respeito pelas palavras. Nunca na minha vida disse eu-te-amo sem sentir. Quem eu amo, amo. Para quem a gente não ama existem tantas coisas: gosto-muito-de-você, gosto-de-você, eu-te-adoro, você-é-importante-pra-mim. Pra amar, tem que conhecer. (…) Guarda o amor pra quando for sentimento. Guarda o amor pra quando for verdade.
— Clarissa Corrêa

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall