terça-feira, 18 de setembro de 2012


Se a pessoa mudou e não quer mais minha amizade, até aceito, desde que isso fique explícito e não que seja mais uma das coisas que eu devo adivinhar. Sabe como é, não tenho bola de cristal, não leio mãos e também não recebo mensagens do além. Se surgiram novas amizades e perceberam que eu sou coisa do passado; se após mudanças interiores se constatou que não sirvo mais pra ombro e ouvido amigo, companhia pra todas as horas e conversas intimas, então que eu saiba logo de uma vez. Também fiz novas amizades, mas não estabeleço nenhum nível para cada um, todos meus amigos tem prioridade igual para mim. No entanto, agora faço ressalvas: todo amigo que me der prioridade terá a minha também. É triste sim ver aquela amiga para quem contei tudo, confiei em tudo e sempre me esforcei para manter ao lado mesmo saindo da escola, mudando de endereço e mesmo após todos os percalços, se distanciando. Dói sim se “desfazer” de quem queríamos por perto até ficar velhinhas; da parceira de boas rizadas, indiadas e micos; das que aparecem comigo em velhas fotos, que alegraram minhas aulas, que secaram lágrimas, que foram confidentes e piadistas. Mas nada posso fazer se decidem seguir um rumo oposto ao meu e não me deixar cartão de visita ou convite pra conhecer sua nova vida.
Amizades não vivem de lembranças e a reciprocidade também é muito importante na manutenção desse elo; sei que chefes cobram, namoros necessitam de atenção dobrada, a faculdade é um desafio diário na construção do que almejamos ser, mas amizade boa (ao menos ao meu ver) não se desperdiça. Amores brotam assim como podem falecer (e padecer), empregos podem ser fases em nossas vidas (ou não), mas os amigos, os verdadeiros, sempre hão de estar ao nosso lado, por mais que não concordem sempre com nossos atos e decisões. Se todo mundo sabe disso, não custa das assistência às amizades antigas ou então terminar a relação de vez, se é do interesse. 
Não me mudei, apenas transformei e ajeitei algumas coisas por dentro, mas ó, ainda sou a mesma, se ainda houver vontade em manter nossa amizade, favor entrar em contato. — Autor Desconhecido

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall