quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O “gostar” passa a ser “amor” quando você não gosta só do rostinho bonito e das qualidades que a pessoa tem. Passa a ser amor quando você gosta do timbre da voz, do som da risada, dos defeitos que até parecem bons; você passa a aceitar o ciúme que antes achava exagerado, e mais do que isso, passa a gostar e achar “fofinho”. Passa a ser amor a partir do momento em que você olha pra pessoa, inteira, com todos os lados bons e ruins, e pensa que não existe mais ninguém assim. E não existe, você sabe.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall