sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

No fundo sou sozinha. Há verdades que nem a Deus eu contei. E nem a mim mesma. Sou um segredo fechado a sete chaves. Por favor me poupe. Estou tão só. Eu e meus rituais. O telefone não toca. Dói. Mas é Deus que me poupa.
— Clarice Lispector 

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall