sábado, 16 de março de 2013


"Eu sou aquele que chegou no lugar onde nunca ninguém esteve. É assim que minha solidão me convence de que estar só depende muito do fato de estar cheio: cheio de algo. cheio de alguém. Eu sou aquele que está onde ninguém nunca veio, aonde ninguém nunca chegou. Eu sou as estações que ninguém nunca descobriu porque eu sinto que verão-inverno se conversam num mesmo dia; eu sou aquela flor sem nome cuja semente é infértil e ninguém nunca pegou nas mãos e disse “amor”. Eu sou o insaciável de alguém que ainda não se descobriu distante e procurou matar-se para aliviar-se do mundo. Eu sou todos estes buracos escondidos dentro de um coração que esqueceram de cuidar e assim morreu de oco, de velho, de ser. (ser vazio, ser doído, ser teu)"
— Igor Pires

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall