quinta-feira, 23 de maio de 2013

O problema é que ela era muito boa, ela pensava primeiro nas pessoas e depois nela mesma. Ela sempre perdoava erros imperdoáveis por medo de perder, mas sempre perdia. Ela sempre sorria pra parecer satisfeita e nunca demonstrava fraqueza. Ela sempre teve um coração puro, capaz de amar a todos a ponto de esquecer de se amar. Talvez por isso ela teve uma vida tão complicada, por ajudar tanto os outros e esquecer que quem precisava de ajuda era ela.”

— Corroendo.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall