quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Para você que não entende o amor;

Esse não é um texto sobre o que é o amor. É um texto sobre o que acontece depois que você finalmente entende pra que serve esse sentimento doido.

Antes eu achava que o amor era uma espécie de hematoma. Uma marca que alguém lá de fora deixava em mim. Uma dorzinha suportável que de tempos em tempos me fazia querer ter certeza se ainda doía. Aiiiii! Algo que muitas vezes eu escondi por insegurança. Por achar que já ou ainda não era hora certa de estar ali. Infelizmente ou felizmente eu me machuco fácil. Qualquer pancadinha já fica uma marca horrível por dias, semanas ou meses. Sempre disfarcei bem porque acreditava que o melhor curativo era uma boa dose de orgulho. Mas o orgulho nunca cura, anestesia.

Dizem que é só uma questão de tempo, mas não tem nada a ver com os números que o calendário ou o relógio mostram. Os dias vão sempre parecer iguais se você continuar não lidando com o que sente. Então não é sobre o tempo que passa. É sobre o que você faz depois que o dia amanhece. Sobre as pequenas escolhas que temos que fazer a todo instante.

Continuar lendo esse texto ou fechar a página?

Não é fácil. Eu mesma fugi do que sentia como se meus sentimentos fossem um monstro terrível e impiedoso, quando na verdade aquela estranheza gigante que tomava conta de mim fazia parte de um processo de autodescobrimento.

Quem sou eu? O que estou me tornando? O que quero pra minha vida? Por que teve um fim? A culpa foi minha? Não sou boa o suficiente? Quando não dá certo com alguém não é porque não deveria ter acontecido. É porque estamos mudando o tempo todo e nem sempre essa mudança acontece na mesma velocidade. Temos ritmos diferentes e às vezes nem mesmo o sentimento mais puro desse mundo basta. Mas nunca é desperdício se você aprende com os erros. Não foi em vão se você se sente mais forte, segura e consciente agora.

Parece que tudo gira em torno do outro, mas a verdade é que existe um mundo surpreendente no desconhecido e a única coisa que nos motiva a continuar tentando descobri-lo é o amor. Não o amor por ele, mas o amor por quem nos tornamos depois dele. Uma pessoa tão incrível quanto eu, ela e você merece ser feliz!

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall