quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Quem vive com o coração na mão aprende de uma maneira ou de outra que amadurecer dói. Não é questão de escolha despedir-se do que se era e abraçar o que se é. E para reconstruir, antes é preciso estar em pedaços. A mudança não pede pra acontecer. Às vezes aperta, rasga, corta. Transformar-se é um ato de coragem.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall