quinta-feira, 21 de abril de 2011

“Sonhei que você sonhava comigo. Parece simples, mas me deixa inquieto. Cá entre nós, é um tanto atrevido supor a mim mesmo capaz de atravessar — mentalmente, dormindo ou acordado — todo esse espaço que nos separa e, de alguma forma que não compreendo, penetrar nessa região onde acontecem os seus sonhos para criar alguma situação onde, no fundo da sua mente, eu passasse a ter alguma espécie de existência. Não, não me atrevo. Então fico ainda mais confuso, porque também não sei se tudo isso não teria sido nem sonho, nem imaginação ou delírio, mas outra viagem chamada desejo.”

Caio F.

(e desde então, venho sonhando...
mas esses sonhos me deixam frustrada,
porque em um breve segundo estou contigo,
e sorrio encantada com a possibilidade de te ter.
mas quando abro os ohos só vejo
a escuridão do meu quarto, e isso dói.)

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall