segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Não tem o que fazer, não tem o que dizer, não tem o que sentir. Sou uma ferida fechada. Sou uma hemorragia estancada. Tenho medo de deixar sair uma letra ou um som e, de repente, desmoronar. — Tati Bernardi.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall