quarta-feira, 3 de abril de 2013

“Que eu possa tomar banho de cachoeira. Que eu seja a vontade de rir. Que eu possa chorar ao assistir filmes. Que transforme a raiva em vontade de me entender. Que eu possa soltar os vagalumes que prendi em potes. Que eu me lembre de ser feliz enquanto ainda estou vivo.”

— Fabrício Carpinejar.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall