terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Não existe escolha sem recusa. Não lamento; grandes mudanças não vêm sem grandes sacrifícios. Simples, objetivo, certo. Eu sinto muito, sim. Adeus não é só sobre dizer adeus, é sobre sentir assim. E isso eu não aprendi. Sou senhora da minha mente, enquanto meu coração continua cercado por uma muralha de areia. Eu fracasso o tempo todo: não sei fazer sentir.

Minhas contradições pairam sobre uma lógica perfeita, a minha inconstância tem um ponto de equilíbrio, minhas incertezas são tão certas, e minhas certezas, duvidosas; tudo colide entre si, e ao mesmo tempo encontra um encaixe.

O nosso jardim era lar de flores podres. Eu só não aprendi a lidar com a parte que continua florida dentro de mim.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall