quarta-feira, 4 de setembro de 2013

" Você diz que eu não preciso me preocupar, troca o assunto, desconversa. Eu insisto em saber da sua febre e decorar o horário dos seus remédios. Me deixa ser a farmácia da sua dor de cabeça ou do seu dia ruim mesmo. Sei lá, só me deixa ser qualquer coisa por você. (…) Eu só quero te cuidar, mas isso inclui uns bons exageros. E vê se perdoa eles, por favor e por amor… Perdoa a minha vontade de ser quem lê uma bula inteira do remédio só por você. "

Nenhum comentário

Postar um comentário

© adorável psicose
Maira Gall